Soldados da Renamo

Vi a Conferência de Imprensa dada pelo Líder da Renamo Afonso Dlhakama ontem a noite, na televisão, dando conta de que os soldados da Renamo estavam sendo alvos da marginalização das FADM. Fiquei perplexo. E perguntei-me à mim mesmo: a Renamo ainda continua como força armada? Pensei que tivesse terminado com a assinatura do Acordo Geral da Paz? Será que a Frelimo também tem suas forças dentro das FADM?

Logo aprcebi-me que aquele senhor foi feito para a guerra e não para a política. Quando for para falar de assuntos ligados à Guerra, o Sr. Dlhakama é exímio, até o ponto de reclamar a paternidade de parte de oficiais bem colocados nas FADM.

O que falta saber é que até quando as forças serão partidarizadas? Pensava eu, que o único momento em que as forças armadas foram partidárias terminou com a formação do primeiro contingente militar treinado em Nyanga – Zimbabwe! Ainda continua Dlhakama a reclamar de seus oficiais. Será esta, a melhor estratégia de reagir ao “descasque” que sofreu na noite anterior, em que Marcelino dos Santos o chamou de bandido e obrigo-o a pedir desculpas ao Povo Moçambicano?

Em vez de reagir à esses factos, ele desviou-nos para um problema fútil e extemporâneo. As FADM servem ao Estado e não estão aos serviço da Renamo nem da Frelimo.

Dlhakama vai se desintegrar...é só uma questão de tempo.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Gwaza Muthini, na forma como a conhecemos hoje é um BLUFF HISTÓRICO.

O tempo da comunicação

Cronologia Política de Moçambique (1). Desde 1960 até 1975: um esboço