O ESPÍRITO DE DEIXA ANDAR ANDA COM OS GOVERNADORES PROVINCIAIS E ADMINISTRADORES DISTRITAIS. ELES PRETENDEM SABOTAR O PEC-MOZ

O Presidente da República acabou, há meses de visitar as Províncias com vista a inteirar-se dos últimos desenvolvimentos das actividades do Governo que bem dirige.

Passados pouco mais de 40 dias, reuniu os seus mais directos colaboradores para criticá-los e comunicá-los da inoperacionalidade da máquina Governativa. Sobre isso muito se escreveu. Não cabe a mim comentar.

Surpreendentemente, como forma de acatar o apelo do Presidente, os Governadores e Administradores dos Distritos encetaram visitas de trabalho ou aos Distritos – para o caso dos Governadores, ou às Localidades, para o caso dos Administradores! Todos também querem sair para “ver de perto o cumprimento das orientações da S.Excia o Presidente!”

Quer dizer, estamos numa situação comparável, entre o homem e o papagaio em que o Homem diz: “Você papagaio”! e por sua vez, o papagaio responde: ««Você papagaio!»»

««Oh papagaio, porquê me imitas?»» e ele,: Oh papagaio porquê me imitas?.

Quer dizer, o papagaio não sabe que é papagaio, muito menos que está a imitar. Pior, trata-se de senhores com idoniedade política confirmada.

Isto pode frustrar o nosso Presidente. Esta prática pode enfurecer o nosso Presidente. É que ele delega tarefas claras aos Governadores e Administradores. Em vez de estes entrarem em acção, tentando implementar as recomendações, também embarcam em viagens supérfulas. De quê é que estes se vão inteirar nos distritos se antes nem trabalharam? Quererão saber estes senhores se os camponeses ouviram pela rádio o que o Camarada Presidente disse?

Alguns Governadores também papagueiam dizendo: a pobreza absoluta não se combate em voz alta! Caros senhores, estas deveriam ser as palavras do Senhor Presidente. Ao Camarada Governador caberia trabalhar, só isso, ...trabalhar. E cá doutro lado, diríamos: sim senhor, estes estão mesmo combater a pobreza com trabalho.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Gwaza Muthini, na forma como a conhecemos hoje é um BLUFF HISTÓRICO.

O tempo da comunicação

Cronologia Política de Moçambique (1). Desde 1960 até 1975: um esboço