Declaração de intelectuais sobre a Palestina e o Líbano

Por Arundhati Roy, Tariq Ali, Noam Chomsky, Eduardo Galeano, Howard Zinn, Ken Loach, John Berger.
O que se segue é um documento escrito por figures eminentes do Mundo, contra a Guerra no Líbano e na Palestina.
Dada a sua relevância e utilidade, republico-a para a sua difusão.

O assalto israelense apoiado pelos EUA ao Líbano deixou o país paralisado, a arder e colérico. O massacre em Qana e a perda de vidas não é simplesmente "desproporcionada". Trata-se, de acordo com o direito internacional em vigor, de um crime de guerra.

A deliberada e sistemática destruição da infraestrutura social do Líbano pela força aérea israelense também foi um crime de guerra, concebido para reduzir aquele país ao status de um protectorado israelense-americano.
Esta tentativa foi contraproducente, enquanto os povos de todo o mundo observavam horrorizados. No próprio Líbano, 87 por cento da população agora apoia a resistência do Hezbollah, incluindo 80 por cento de cristãos e druzos e 89 por cento de muçulmanos sunitas, ao passo que 8 por cento acreditam que os EUA apoiam o Líbano.

Mas estas acções não serão julgadas por qualquer tribunal constituído pela "comunidade internacional" uma vez que os Estados Unidos e os seus aliados que os cometem ou são cúmplices nestes crimes pavorosos não o permitirão.

Agora ficou claro que o assalto ao Líbano para exterminar o Hezbollah fora preparado há muito. Aos crimes de Israel foi dado um sinal verde pelos Estados Unidos e pelo seu sempre leal aliado britânico, apesar da esmagadora oposição a Blair no seu próprio país.

A curta paz que o Líbano desfrutou chegou ao fim e um país paralisado é forçado a recordar um passado que ele tinha esperança de esquecer. O terrorismo de estado infligido ao Líbano está a ser repetido no gueto de Gaza, enquanto a "comunidade internacional" espera e observa em silêncio. Enquanto isso, o resto da Palestina é anexada e desmantelada com a participação directa dos Estados Unidos e a aprovação tácita dos seus aliados.

Exprimimos a nossa solidariedade e apoio às vítimas desta brutalidade e àqueles que armam uma resistência contra ela. Da nossa parte, utilizaremos todos o meios ao nosso dispor para expor a cumplicidade dos nossos governos nestes crimes. Não haverá paz no Médio Oriente enquanto continuarem as ocupações da Palestina e do Iraque e os bombardeamentos temporariamente "suspensos" do Líbano.
E eu sibscrevo-me a estes, juntando a minha voz a todos aqueles que lutam pela verdadeira mediação no Medio Oriente.

E não esta fantochada que se chama Conselho de Segurança da ONU!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Gwaza Muthini, na forma como a conhecemos hoje é um BLUFF HISTÓRICO.

PENSAR NA PAZ SABENDO O QUE FAZER: ENTRE O VAZIO DAS PALAVRAS E O BELICISMO, A TERCEIRA VIA

Aprender de Angola? Que lições?