Já podem comentar o Ideias de Moçambique

Depois de tanto tempo, decidi ultimamente, repor o ícone que possibilita os leitores deste blog comentar os artigos aqui postos.
Confesso que isso foi graças à duas pessoas: Celso Cau, amigo e advogado bem como Albertina Oliveira, novel no bloguismo. As suas últimas mensagens deixaram-me bastante pensativo: como posso avaliar a importância deste espaço? Só como comentários, conclui Por isso o meu muito obrigado pelo encorajamento.
À todos, mais uma vez, bem vindos ao meu/nosso espaço. Já podem comentar o ideias de moçambique!

Comentários

tina disse…
Parabens a você
Parabens a Celso
Parabens a mim
Parabens a nós.

Gostei...muito obrigado!
Abraço.
Egidio Vaz disse…
Eu é que agradeço pela ideia. Grato
Nkhululeko disse…
É sempre importante que outras pessoas possam deixar a sua opinião no blog ou fazer um referência. A caixinha de comentários, para certos casos, é mais eficaz que o mail. Um vez mandei um mail sobre este assunto ao Egídio. Força!
Egidio Vaz disse…
Obrigado Nkululeko.
Posso criar um elo para o seu blog??
Nkhululeko disse…
Claro que sim, eu é que agradeço. Abraço.
Egidio Vaz disse…
Entao, ja la esta.
Um abraco
Anónimo disse…
A ideia da criação da Unidade de Diagnóstico Social é de forma inéquivoca oportuna é pontual, sobretudo porque vem enriquecer e consolidar a formação da esfera pública e da cultura de debate no sentido de trazer aos interessados leituras, indagações e interpretações de indole social das mais variadas questões que marcam o nosso quotidiano desde as de expressão micro de sociabilidade e de conduta humana até as de proporções macro.
Paremos de mediatizar e politizar a abordagem dos fenómenos em prol deste ou daquele, é chegado o momento de pugnarmos pelo esclarecimento correcto dos fenómenos identificando e apresentando-os nas respectivas árvores de problemas com o necessário rigor e isenção.
É necessário dar a conhecer a própria explicitação do problema, identificando as causas e os factores que o ocasionam, apresentar e desconstruir a sua morfologia(em termos soció-culturais, históricos,etc)e avançar as suas implicações;
Este será o primeiro passo inevitável e primordial para a acção por parte de quem deverá assumir tais desafios, como reza o velho adágio popular "não se nada na praia sem se molhar.
É um envolvimento interessante,todavia um desafio titânico e abnegado.
Bem haja a UDS
Com cumprimentos
De Elton Macuácua
Anónimo disse…
A ideia da criação da Unidade de Diagnóstico Social é de forma inéquivoca oportuna é pontual, sobretudo porque vem enriquecer e consolidar a formação da esfera pública e da cultura de debate no sentido de trazer aos interessados leituras, indagações e interpretações de indole social das mais variadas questões que marcam o nosso quotidiano desde as de expressão micro de sociabilidade e de conduta humana até as de proporções macro.
Paremos de mediatizar e politizar a abordagem dos fenómenos em prol deste ou daquele, é chegado o momento de pugnarmos pelo esclarecimento correcto dos fenómenos identificando e apresentando-os nas respectivas árvores de problemas com o necessário rigor e isenção.
É necessário dar a conhecer a própria explicitação do problema, identificando as causas e os factores que o ocasionam, apresentar e desconstruir a sua morfologia(em termos soció-culturais, históricos,etc)e avançar as suas implicações;
Este será o primeiro passo inevitável e primordial para a acção por parte de quem deverá assumir tais desafios, como reza o velho adágio popular "não se nada na praia sem se molhar.
É um envolvimento interessante,todavia um desafio titânico e abnegado.
Bem haja a UDS
Com cumprimentos
De Elton Macuácua
Anónimo disse…
A ideia da criação da Unidade de Diagnóstico Social é de forma inéquivoca oportuna é pontual, sobretudo porque vem enriquecer e consolidar a formação da esfera pública e da cultura de debate no sentido de trazer aos interessados leituras, indagações e interpretações de indole social das mais variadas questões que marcam o nosso quotidiano desde as de expressão micro de sociabilidade e de conduta humana até as de proporções macro.
Paremos de mediatizar e politizar a abordagem dos fenómenos em prol deste ou daquele, é chegado o momento de pugnarmos pelo esclarecimento correcto dos fenómenos identificando e apresentando-os nas respectivas árvores de problemas com o necessário rigor e isenção.
É necessário dar a conhecer a própria explicitação do problema, identificando as causas e os factores que o ocasionam, apresentar e desconstruir a sua morfologia(em termos soció-culturais, históricos,etc)e avançar as suas implicações;
Este será o primeiro passo inevitável e primordial para a acção por parte de quem deverá assumir tais desafios, como reza o velho adágio popular "não se nada na praia sem se molhar.
É um envolvimento interessante,todavia um desafio titânico e abnegado.
Bem haja a UDS
Com cumprimentos
De Elton Macuácua
Egidio Vaz disse…
Obrigado Elton.
Contamos contigo!

Mensagens populares deste blogue

PENSAR NA PAZ SABENDO O QUE FAZER: ENTRE O VAZIO DAS PALAVRAS E O BELICISMO, A TERCEIRA VIA

Gwaza Muthini, na forma como a conhecemos hoje é um BLUFF HISTÓRICO.

Aprender de Angola? Que lições?