Cronologia Política de Moçambique (1). Desde 1960 até 1975: um esboço

Pretendo com esta cronologia, reavivar a memória daqueles que, às veses passam por este blog, com datas importantes a respeito de Moçambique desde a implantação do Estado Novo de Salazar.

1960
16 de Junho - Massacre de Mueda
- Fundação em Salisbúria da UDENAMO (União Nacional Democrática de Moçambique)
- 14 de Dezembro: A Assembleia Geral das Nações Unidas, proclama a Declaração à Independência dos Territórios portugueses e Povos sujeitos ao Domínio Colonial.

1961
- Abolição legal das diferenças de estatuto entre indígenas e assimilados (Dec.-Lei 43.893 (6 de Setembro).
13 de Novembro - Condenação por 90 votos contra 3, pela Comissão de Tutela da ONU, da política colonial portuguesa
- Fundação no Malawi da UNAMI (União Africana de Moçambique Independente).

1962
- Fundação da Frelimo, pela fusão de três movimentos de libertação (UDENAMU, MANU e UNAMI). Eduardo Mondlane é eleito presidente da Frelimo (25 de Junho).
- I Congresso da Frelimo em Dar-es-Salam (23 de Setembro)
Os anos 60 marcam um período de grande desenvolvimento económico em Moçambique.

1963
21 de Maio - Fundação de um novo movimento político denominado FUIPAMO (Frente Unida Anti-Imperialista Popular Africana de Moçambique
Agosto - Greve dos estivadores em Maputo, Beira e Nacala

1964
- Inicio da Guerra de Libertação.As operações começam em cinco distritos: Cabo Delgado, Niassa, Tete, Zambézia e Moçambique, tendo falhado nas três ultimas..

1966
É dissolvido o Centro Associativo dos Negros de Moçambique (15 mil associados).

1968
Início da Construção de Cabora Bassa
- Abertura de novas frentes de guerrilha da Frelimo nos distritos de Tete e Zambézia

1969
18 de Janeiro - Conferência Internacional de Solidariedade para com o povos das Colónias Portuguesas e da África Austral, em Kartum

3 de Fevereiro - Assassinato de Eduardo Mondlane em Dar-es-Salam
Abril - Formação de um triunvirato formado por Samora Machel, Marcelino Santos e Uria Simango
5 de Novembro - Uria Simango é suspenso do triunvirato

1970
26 de Julho - Conferência Internacional de Solidariedade para com o povos das Colónias Portuguesas, em Roma
1 de Julho - Os dirigentes dos principais movimentos de libertação das colónias portuguesas são recebidos em audiência pelo Papa Paulo VI
14 de Maio - Nomeação de Samora Machel e Marcelino dos Santos para presidente e vice-presidente da Frelimo

1972
A 16 de Dezembro, as tropas portuguesas cometem em Wiriyamu (Tete), uma das piores chacinas desta guerra que travam contra a Frelimo. Uma aldeia inteira é exterminada. O massacre impressiona profundamente a comunidade internacional.

1974
- 25 de Abril. Derrube da ditadura em Portugal. Estão criadas as condições para o reconhecimento da Independência de Moçambique.
Maio - Costa Gomes (membro da Junta Militar que governa Portugal) visita Moçambique. A Frelimo intensifica as acções de guerrilha, tirando partido da fragilidade da indefinição política que reina em Portugal. Aumenta o número de militares portugueses que se recusam a combater.

Junho
No início do mês de Junho, em Lusaka, o ministro português Mário Soares e o dirigente da Frelimo Samora Machel iniciam contactos exploratórios com vista ao estabelecimento do cessar fogo e à independência de Moçambique.

Julho
22 de Julho - A estrutura coordenadora política dos militares portugueses em Moçambique (MFA), solicita a Lisboa a independência imediata deste território e a sua entrega à Frelimo.
30 de Julho a 2 de Agosto - Conversações em Dar-es-Salam, entre o ministro português Melo Antunes e a Frelimo.

Agosto
1 de Agosto - Uma companhia portuguesa, em Omar (norte de Moçambique), na ausência do seu comandante entrega-se à Frelimo e é conduzida prisioneira para a Tanzânia. O caso espelha a desmoralização em que se encontravam as tropas portuguesas. Portugal reconhece perante o secretário-geral da ONU, em Lisboa, o direito de Moçambique à Independência.

14 de Agosto - Novo encontro entre um delegação do governo português e a Frelimo, em Dar-es-Salam.A delegação portuguesa é constituída por Mário Soares, Melo Antunes e Almeida Santos.

Setembro
- 5 a 7 de Setembro - Uma delegação do governo português e outra da Frelimo estabelecem em Lusaka, os termos do Acordo sobre a Independência de Moçambique. O Acordo foi assinado pelo presidente da República portuguesa a 9 de Setembro.

- 7 a 17 de Setembro
Rebelião, em Maputo e na Beira contra os termos do Acordo de Lusaka. A comunidade portuguesa em Moçambique e muitos outros moçambicanos sente-se lesada com o processo. Registam-se dezenas de mortes e destruições. Muitos portugueses residentes em Moçambique partem na altura para a África do Sul e Rodésia do Sul.

- 10 de Setembro - As tropas portugueses começam a transportar militares da Frelimo para vários pontos de Moçambique tendo em vista, evitar situações de vazio de poder em todo o território e possíveis desacatos.

- 21 de Setembro. Toma posse um governo de Transição, presidido por Joaquim Chissano.

Outubro - No dia 21 de Outubro, elementos armados da Frelimo envolvem-se em confrontos com comandos das forças militares portuguesas, provocando diversos mortos em Maputo.

1975
Fins de Maio. Samora Machel regressa a Moçambique.
- 25 de Junho- Independência de Moçambique a 25 de Junho, conforme o estabelecido nos Acordos de Lusaka.
- Samora Machel é o primeiro presidente da República.

Saem de Moçambique cerca de 250 mil brancos portugueses e não só
É estabelecido um regime de partido único, a Frelimo. Inicia-se um processo de construção de um Estado Socialista. Os principais sectores económicos do país são nacionalizados.

O governo moçambicano apoia os movimentos nacionalistas que na África do Sul e no Zimbabué lutavam contra os regimes racistas.
As fonteiras do Zimbabué (antiga Rodésia) são fechadas.

Na segunda-feira retomarei com a Fundação da renamo, em 1976.
Agradeço a quem puder, em jeito de comentários, poder dar datas e factos de assuntos que, por lapso ou mesmo desconhecimento, teriam me passado ao lado da minha atenção.
Um abraço.
Fonte primária: Arquivo Vivo de Moçambique

Comentários

ELCAlmeida disse…
Caro amigo isto é um teste conforme e-mail anteriormente avançado.
Cumprimentos
Eugénio Costa Almeida
Egidio Vaz disse…
Muito obrigado

Mensagens populares deste blogue

O tempo da comunicação

Gwaza Muthini, na forma como a conhecemos hoje é um BLUFF HISTÓRICO.

PENSAR NA PAZ SABENDO O QUE FAZER: ENTRE O VAZIO DAS PALAVRAS E O BELICISMO, A TERCEIRA VIA