Combates pela mentalidade Histórica (10)

Hoje trago-vos uma lista simples de todos colonialistas-mor deste país, desde 1894. Só para refrescar a memória, enquanto preparo um artigo um pouco mais elaborado.

Eis a lista dos Governadores Coloniais em Moçambique desde 1894:

  1. António José Enes (1895)-Exímio colonialista; Arquitecto da estratégia colonizadora
  2. Vítor Crespo (1974-1975) - último alto comissário português

Comentários

Henrique disse…
Vitor Crespo não foi o último alto comissário, foi o único alto comissário, aquele que preparou a independência de Moçambique, após o 25 de Abril de 74 e tal como tinha sido definida nos acordos de Lusaka.
Não me parece de muito rigor que esteja metido numa lista global, cujo título, subtítulo e leed têm expressões como "colonialistas-mor" ou "governadores coloniais". Não creio que seja um refrescar da memória, mas uma indução do erro.

Da mesma forma António Enes não foi o arquitecto da estratégia colonizadora. António Enes teve um particular papel numa fase do colonialismo, mas foi tão arquitecto dessa fase como Sarmento Rodrigues o foi doutra.
Egidio Vaz disse…
Caro Henrique, eu tambem concordo com as suas ideias.
Todavia, as minhas sao tambem verdades.
Em suma, as minhas e as suas, juntas, podem fazer uma verdade menos interesseira.
Victor Crespo foi colonialista, alias, colonizador que preparou essa tal transicao. Antonio Enes foi queM arquitectou todo o esquema de exploracao dos mocambicanos ca em Mocambique, alias, ele como outros, sao OS GRANDES PORTUGUESES.
Egidio Vaz disse…
A independencia, em Mocambique, CONQUISTOU-SE, meu caro Henrique. Aqui lutou-se por ela e nao foi preparada por Crespo.
Crespo preparou-se para sair.
Egidio Vaz disse…
A independencia de Mocambique nao foi preparada depois de 25 de Abril de 75, apesar de esta data ser muito importante e inesquecivil para os portugueses.
A independencia de mocambque foi preparada em 1962 (fundacao da frelimo) e proclamada em 25 de Junho de 1975

Mensagens populares deste blogue

Gwaza Muthini, na forma como a conhecemos hoje é um BLUFF HISTÓRICO.

PENSAR NA PAZ SABENDO O QUE FAZER: ENTRE O VAZIO DAS PALAVRAS E O BELICISMO, A TERCEIRA VIA

Aprender de Angola? Que lições?