Diversão Política

Enquanto os políticos entram de férias, outros vão nos divertindo com visitinhas, há quem ironicamente se mantém calado.

Trata-se de um senhor que deveria vir ao público para nos informar sobre como é que governo está a responder ao grito de socorro das populações da região Centro do País, assoladas pelas cheias.
Os Distritos de Mutarara, Moatize, Cahora Bassa (Tete); Caia, Chemba, Marromeu, Búzi e Machanga (Sofala); Morrumbala, Gurúe, Quelimane e Mocuba (Zambézia); Tambara (Manica); Lago, Sanga (Niassa) estão registar ínidces alarmantes de chuvas.

Os rios estão a cada dia, a encher ainda mais os seus caudais; as culturas estão a ser inundadas; as pessoas estão a ficar desajolojdas em cosnequência das chuvas que, para além de estragar as suas culturas, ainda destroem as suas casas.
Na Beira (Munhava, Manga) Dondo (Mafambisse e Savane) Nhamatanda e arredores, as inundações quase que acabaram com os campos de arroz. A principal actividade económica (agricultura) está paralisada. As pessoas estão em casa. Já não se pesca nos rios Zambeze, Búzi, Púngoe, Lúrio; as águas estão tão turvas que o peixe está morrendo.
Não se fala das estradas que estão cortadas. Nãos e fala da fome e do risco da eclosão de doenças diarreicas. Não se fala disso.
O silêncio dos que, com os nossos impostos estão passeando pela Europa e Ásia, em gozo de férias, me surpreende; aliás me irrita. É um silêncio criminoso, cleptocrata. Há uma coisa que se chama INGC-Instituto Nacional de Gestão de Calamidades Naturais.
O que isto está a fazer?

Comentários

André disse…
Aqui no Brasil as enchentes acontecem todo o verão, a cada ano. Por falta de previsão das épocas de chuva é o que os governantes não têm para se desculparem do descaso.
Egidio Vaz disse…
Vale a pena. Lá os políticos prestam contas. Nós, cá, nem isso!

Mensagens populares deste blogue

PENSAR NA PAZ SABENDO O QUE FAZER: ENTRE O VAZIO DAS PALAVRAS E O BELICISMO, A TERCEIRA VIA

Aprender de Angola? Que lições?

O tempo da comunicação