E se eu morrer?

E se um dia, acordar sem vida, aliás com vida, mas de outro lado da vida?,
Quem irá dar prosseguimento a este blog?
E se eu morrer,
amanhã?
Quem irá anunciar a minha morte?
E neste blog?
-Ensinemos aos nossos mais próximos
A utilidade destes espaços;
Não os guetoizemos
Divulguemo-los
Blogueisemos as nossas casas
As nossas esposas
Os nossos filhos
Os nossos irmãos
Os nossos tios.
Só assim é que poderemos dar aos blogues
UMA EXISTÊNCIA SEM TERMINAL
PS: Isso surgiu após um sonho terrível: eu Morto. E se fosse verdadeiro?

Comentários

Nkhululeko disse…
Vais morrer de velho, fica descansado. Em todo o caso, boa divulgação por esses lados. Abraço
SurOeste disse…
No teu caso, alarmados pela persistente ausência, buscariamos novas sobre ti nos jornais moçambicanos e atopariamos sentidas necrológicas com toda certeza: "o jovem e prometedor investigador no Centro de Documentaçao e Pesquisa.....infeizmente....perda irreparável..." mas no meu caso já cheguei á conclusao, sendo como eu sou apenas um pseudonimo que só existe virtualmente desapareceria sem deixar rastro nenhum. E nao seria nada irreparável! De todas formas acho que eu nao seria capaz de um "suicidio virtual", já sabem, dispoñer tudo para borrar qualquer vestígio do blog. Assim coincidimos em uma certa preocupaçao pela pervivencia da nossa "obra".
Egidio Vaz disse…
A obra, essa deve viver. Desisti por três vezes em fazer essa pergunta; de escrever esses versos desorganizados.
Na verdade, estou mais preocupado com a "alfabetização informática" dos cidadãos do meus país;
Intrigo-me com a crescente aversão dos docentes universitários ao e-mail; pouco são os oficiais do estado com e-mail.
A propósito, lembro-me que quando o novo Governo do dia tomou posse, houve um curso de informática para os Ministros que teve lugar no Ministério de Ciência e tecnologia.
Hoje, não conhecço nenhum e-mail de sequer, um Ministério que funcione, a não ser o da Presidencia e do Ministério da Ciência e tecnologia.
O resto, não funcionam. Os sites andam há seculos que não são actualizados e outros ministérios nem sequer têm!
E se eu morrer...
quem irá prosseguir com a obra?
SurOeste disse…
O jovem e prometedor investigador do CDPAA-SARDC-Moçambique deixa tras de sim uma imponente Obra e a paixao quase incontrolável da naçao enteira pelos e-mails e os blogs de análise política e social. As suas páginas bloguísticas sao já um brilhante referente para as novas geraçoes de entusiastas blogers moçambicanos...

Agora a sério: um ser humano só tem uma vida, nao pode pretender que os demais continuem a viver por ele.
Egidio Vaz disse…
Não concordar consigo seria uma injustiça.
Obrigado SUROESTE
Diva disse…
Nas provincias entao nem se fala... blogues? Poucos os conhecem, apenas a chamada "elite" e olhe la. Nas escolas os pc sao praticamente obsuletos e quando existem, nas faculdades fazem-se bichas para usar o mesmo pc. reparticoes publicas? nem sabem o que e email...infelizmente caro Egidio vamos muito longe de chegar a era da informatica, tenho duvidas se ja saimos da idade da pedra ( olha que escrevo com magoa) mas a realidade e essa.
Bjs meus

P.S. Dizem que sonhar com a morte significa saude e longa vida.
Egidio Vaz disse…
Toda a razão é sua Diva.
Mas a falta de PCs nas escolas, acho eu, não é significa que elas não têem condições para comprá-las. Pura e esimplesmente, porque o Director não sabe trabalhar no computador, ou se sabe, não quer que os outros saibam.
Sabe, comprar um computador é mais barato do que fazer, todos semestres, festas do fim do ano e reabilitar casas de professores à custa das contribuições mensais dos alunos.
Eu sei que muitas escolas t~eem esse tipo de contribuição, onde à cada mês o aluno é obrigado a desembolsar uns 10 ou 20 ou mesmo 50 meticais, sei lá para quê.
E numa escola com 500 alunos, já seria algo num período de 12 meses. E sendo escola, niguém (digo, as empresas) negaria vender á prestções.

PS:Obrigado, Diva, por me desejar longa vida...
Mas sem sofrimeto, por favor!

Mensagens populares deste blogue

O tempo da comunicação

Gwaza Muthini, na forma como a conhecemos hoje é um BLUFF HISTÓRICO.

PENSAR NA PAZ SABENDO O QUE FAZER: ENTRE O VAZIO DAS PALAVRAS E O BELICISMO, A TERCEIRA VIA