Relatório de Má Qualidade

O Conselho de Ministros ontem reunido em sua 13ª sessão ordinária, decidiu dar mais alguns dias para que a Comissão de Inquérito sobre o incêndio do Ministério da Agricultura trouxesse resultados definitivos sobre as causas e consequências do mesmo. Justifica tal medida argumentando que os factos que trazem estão baseados em informações disponíveis, sendo necessário, portanto, pesquisar outras.
Por outras palavras, pode se dizer que a primeira versão do famigerado relatório não satisfez o conselho de Ministros, pela pobreza das informações que traz. Tudo vai de encontro ao meu vaticínio, feito ontem aqui.
Não faz sentido que findo o prazo, se divulgue aos quatro ventos que a Comissão elaborou um relatório cujas conclusões não são divulgadas mas que, pelo contrário, se dê mais alguns dias (não especificados) à mesma para trazer conclusões definitivas. Quais são então as preliminares? Quantos dias serão necessários?
PS: o site do MINAG não reporta o incêndio. Não existe nenhuma noticia dando conta do sucedido. Por isso insisto em dizer que o incêndio não aconteceu.

Comentários

Anónimo disse…
Egídio, pelo que pude compreender na TV, quem precisa de mais tempo para analisar os factos é o Governo e não a Comissão de Inquérito. estarei equivocado? Pois o portavoz disse que o Governo precisava de mais tempo para analisar o Relatório para depois emitir o seu parecer. É melhor rever a informação, talvez pelos Jornais, pois muitos jornalistas, diga-se, saíram frustrados da Conferência de Imprensa.

Abraços

Mbuiaesqueva
Egidio Vaz disse…
Veja o jornal noticias de hoje. Veja igualmente as referencias (links) que estão por detrás daquilo que escrevi. A comissão precisa de mais dias para trazer conclusões definitivas.
Estou certo no que escrevi.
Anónimo disse…
Obrigado, caro Egídio, a comunicação escrita foi mais objectiva no título.

Mbuiaesqueva

Mensagens populares deste blogue

Gwaza Muthini, na forma como a conhecemos hoje é um BLUFF HISTÓRICO.

O tempo da comunicação

PENSAR NA PAZ SABENDO O QUE FAZER: ENTRE O VAZIO DAS PALAVRAS E O BELICISMO, A TERCEIRA VIA