Ver Moçambique entre os "portantos" de Aiuba Cuereneia

Mais um debate "Com a Imprensa" foi para o ar ontem na Televisão de Moçambique. Os jornalistas Tomás Vieira Mário, Fernando Gonçalves e Rogério Sitoi estiveram lá para ouvirem o Ministro de Planificação e Desenvolvimento, Aiuba Cuereneia. O homem vinha da China, onde acabava de trazer para Moçambique, a presidência rotativa do Banco Africano de Desenvolvimento, BAD.
Quero hoje reflectir um pouco sobre as oportunidades que os nossos líderes fazem questão de desperdiçar, para, em momentos como esses, darem a conhecer aquilo que de facto pensam sobre o país. Dito doutra forma, o que vi e ouvi do Dr Aiuba Cuereneia ontem a noite, dá-me uma forte dose de razão para afirmar que ele não está à altura de responder os desafios que a função lhe incumbe. Ou, sou obrigado a concluir que o Governo é que não tem planos concretos. Explico-me.
Da Estratégia de Desenvolvimento do País
Numa das passagens da entrevista, Tomás Vieira Mário quis saber do Ministro, qual era a estratégia de desenvolvimento que o Governo tinha para o país. Cuereneia respondeu dizendo que era priorizar o distrito como pólo de desenvolvimento e base de planificação. Isso, meus caros é chavão. Ele ainda não tinha respondido nada. Mário insistiu, querendo saber concretamente, qual era então essa estratégia de desenvolvimento rural que tanto se propala.
Cuereneia, para o meu espanto, começou por narrar a nossa recente história económica do país, desde as consequências económicas e sociais da guerra que acabou em 1992, passando pelo processo de reconstrução de infraestruturas, reabilitação social, etc. Daí, falou da reorganização das administrações distritais, do pessoal técnico distrital; da reabilitação de estradas e pontes, da rede comercial, etc. Justificou, dizendo que para a efectivação desse desígnio, era preciso preparar o distrito, dotando-o de capacidades técnicas e infraestruturas apropriadas. Depois, a fase que se seguiu, foi a de dotar os mesmos distritos meios financeiros para gerar riqueza. Daí então os famosos sete milhões de meticais.
Fernando Gonçalves questionou o método usado para se chegar a esse número (7.000.00.00 mt). Cuereneia respondeu dizendo o seguinte: "primeiro, tivemos que ver aquilo que tínhamos para dar; portanto, disponibilidade financeira. Depois, tivemos que dar a todos, a mesma quantia por razões meramente de justiça e equidade".
A medida que as respostas não iam satisfazendo os jornalistas, estes, iam afunilando cada vez mais. Rogério Sitoe voltou a questão do desenvolvimento rural, tendo perguntado qual era, de facto, a política do Governo em relação a matéria. Cuereneia começou por recordar o Conselho de Ministros Alargado aos Administradores e Secretários do Partido Frelimo havido em Maputo, em 2006, onde a grande questão que foi colocada foi: Como produzir comida e gerar emprego? Em resposta a essa questão, Cuereneia disse que o que se decidiu foi que tinha que se potenciar o pequeno agricultor, para que este produzisse mais. Para si e para o mercado.
Estava implícito então, a estratégia do Governo em relação ao desenvolvimento rural. Estava igualmente fora de questão, a priorização da agricultura comercial. Portanto, meus caros, a estratégia do Governo em relação ao desenvolvimento rural é esta: potenciar o pequeno agricultor para que produza para si e para o mercado. Quanto a estratégia do Governo em relação ao desenvolvimento no geral, é: Distrito como pólo de desenvolvimento e base de planificação, que consiste em dar dinheiro ao distrito para gastá-lo em investimentos que gerem renda e emprego. Foi isso o que o Ministro disse.
Das Dificuldades do Ministro
Uma oportunidade como essa, com jornalistas como aqueles, de facto o Ministro não terá mais; pelo menos tão já. Perdeu uma oportunidade de ouro para brilhar, trazendo-nos tudo que pudesse fazer-nos acreditar na viabilidade do programa do Governo. Pelo contrário, o Ministro esforçou-se em nos mostrar a inviabilidade e insustentabilidade de muitas das decisões que o Governo toma. Mostrou-nos também que muitas das deciões tomadas não têm bases empíricas nem científicas.
Como pude compreender, a dotação dos sete milhões de meticais não foi antecedida de estudo algum. Pura e simplesmente reparou-se no que tinha sobrado no cofre do estado e chegou-se a conclusão que sete milhões de meticais dava para distribuir pelos 128 distritos do país.
Pior do que tudo, apercebi-me também que o Governo fez pouco para de facto, tornar o Distrito como polo de desenvolvimento e base de planificação. Para além do chavão, que na verdade, não passa do Sonho de qualquer líder, e nesse caso, um sonho de Armando Guebuza, , o Governo fez pouco. Através das palavras do Ministro, pude aperceber-me que todo o processo de reabilitação do tecido social e económico bem como reabilitação das infraestruturas foi levado a cabo pelo Governo de Joaquim Chissano. Não há memória de ter visto esse trabalho em dois/três anos deste mandato. A única coisa que vi foi a distribuição do dinheiro. Os sete milhões de meticais.
Um outro aspecto preocupante que noto nos nossos ministros é a falta de inspiração própria. Pior, falta de imaginação e ideias claras sobre como desenvolver com sucesso as funções que o Presidente da República lhe incumbiu. A prova disso é que por duas vezes, dois Ministros "grandes" apareceram a defender as suas políticas sectoriais citando palavras do Presidente da República. Aiuba Cuereneia, quando questionado sobre a política do desenvolvimento do país, citou a pergunta feita no Segundo Conselho de Ministros Alargado aos Administradores e Secretários do partido Frelimo: "Como produzir comida e gerar emprego". Essa foi a pergunta feita pelo Presidente da República, no seu discurso de abertura. E, um ano mais tarde, alguém, como o "só Ministro", vem resumir a sua estratégia de desenvolvimento nessa mesma pergunta... Outra ministra foi a Dr Alcinda Abreu, que, quando questionada sobre a política externa de Moçambique, socorreu-se nas palavras do Presidente da República: mais amigos e menos inimigos! Essa e a nossa política externa.
Tenho comigo, a sensação de que a maioria dos nossos Ministros não consegue pensar de forma independente. Pelo mesmo motivo, temo que os mesmos fiquem a espera de "orientações" claras vinda do PR, sem se aperceber que ele já fez a sua parte. Nomeá-lo.
O debate terminou sem que nenhuma das questões feitas tivessem sido claramente respondidas. Próxima quarta feira há mais.

Comentários

chapa100 disse…
este e um assunto serio! ha uma um conceito que maximo dias introduziu em mocambique: candidato didactico.

como transformar o discurso, as nossas intervencoes em instrumentoso didacticos para quem ouve ou precisa de nossos instrumentos de governacao para orientar-se, buscar perguntas dentro de respostas. como dizer aos nossos governantes que a sua fala é um instrumento importante de orientacao social, politico, economico. a bussola para muitos actores sociais.

este é um desafio, para nossa classe politica.
Anónimo disse…
Um pouco fora disto, mas na verdade dentro do contexto eu queria dizer que há problemas muito sérios na governacão de Guebuza. Ponderando, é possível concluir, nem que não seja muito certo que Guebuza recebeu as rédeas como forma de medir a ele e ao seu grupo...

Agora a escolha do Cueraneia não é difícil de entender que é uma farsa, porque se aquilo que se propala que ele é o delfim de Guebuza fosse verdade, ele, o Cueraneia, devia-se ver como um possível sucessor de Guebuza. Isso não me parece e a pergunta é, qual é a funcão real de Aiuba Cueraneia? Eu faco como especulacão: namorar votos no maior círculo eleitoral - Nampula.

Eu vejo no governo de Guebuza desastroso. É um governo que se preocupa em poder, em voltar ao monopartidarismo com uma falsa democracia, que lutar por desenvolvimento. Eu pessoalmente acho que Joaquim Chissano teve nos seus governos pessoas, que aos olhos do cidadão comum, podiam ser seus sucessores a qualquer momento. Eu acho que a Luísa Diogo até era mais respeitável e presidenciável no governo do Chissano que neste do Guebuza e só pergunto-me a mim mesmo. Veja-se que eu também me lembro dos piores ministros do Chissano e a fraqueza deste qd nunca demitia os incompetentes... Mas Guebuza precisa de virar as atencões.

AA
Laurentina disse…
UM GRAVE ATAQUE ÁS LIBERDADES E Á DEMOCRACIA ESTA A SER PREPRETADO NA BLOGOSFERA NESTE MOMENTO ...
EU CONSIDERO QUE É URGENTE SOLIDARIEDADE COM O BOLG PORTUGAL PROFUNDO AGORA , JÁ ...COLOCANDO UM BANNER NOS NOSSOS BLOG'S "EU SOU LEITOR DIARIO DO PORTUGAL PROFUNDO"...
FICA Á TUA CONSIDERAÇÃO...

PORTUGAL ESTA A AFUNDAR!!!
BOM FIM DE SEMANA
BEIJÃO GRANDE
Bayano Valy disse…
Vou ser muito simplista. As mensagens em rodapé eram maioritariamente de Nampula. Colocar alguém de Nampula para nomorar votos é fazer política. Agora, será unicamente essa a função do Ministro Cuereneia? Penso que não.
Egidio Vaz disse…
Bem,independentemente do cálculo político ou não, eu continuo a dizer que de Nampula, ainda pode haver mais pessoas que poderiam dar conta do recado.
Eu acho que o Ministro não esteve bem.Nem acredito que tenha sido aquilo que disse, o verdadeiro plano do Govevrno para o seu povo.
JJM disse…
A nova estratégia do governo, é transformar o distrito como polo de desenvolvimento(???). Como é que esta estratégia vai se articular com a integração económica? Não será o pequeno produtor lá do distrito, um dos mais afectados com a integração? É que teoricamente, ele não vai puder competir com os produtos vindo da RSA. Particularmente, estou verdadeiramente excitado com os prováveis efeitos da integração. Onde há ameaças existem igualmente oportunidades. Alguns mitos, tais como “agricultura é a base de desenvolvimento” vão ser submetidos ao teste da consistência. Se durante anos não pudemos definir a estratégia e a base de desenvolvimento para a este país, então a integração vai nos impor o rumo a seguir. Há muito por discutir no que se refere as políticas públicas, interligações, dinâmicas e descontinuidades. Espero que este seja o ponto de partida.

JJM
Egidio Vaz disse…
"Se durante anos não pudemos definir a estratégia e a base de desenvolvimento para a este país, então a integração vai nos impor o rumo a seguir"
-Muito bem dito, caro JJM. Tem sido igual,mente esse o meu pensamento, apesar de estar receoso quanto á capacidade de resposta do nosso Governo. Veja que até agora, o Ministro do Comércio lança apelos " PARA ENCONTRARMOS ESTRATÉGIAS DE LIDAR COM A INTEGRAÇÃO ECONÓMICA DA ÁFRICA AUSTRAL"?! Significa que até agora, ainda não temos nada; nenhuma estratégia econónmica! Triste.
chapa100 disse…
egidio! acho que os nossos governantes tem uma estrategia de lidar com a integracao regional. acho que este pode ser o ponto de partida. eles tem. o que interessa aqui saber é se a estrategia é eficiente, ate que ponto essa estrategia é boa, é produto de que? que estrategia é essa que nao tem parceiros como associacoes empresariais? durante este tempo todo o que a nossa estrategia esteve a fazer? de que consiste essa estrategia?
Egidio Vaz disse…
Chapa,
Desculpe por respondê-lo tarde,
É que, na verdade, ando pelos distritos e o trabalho é tão intenso que não consigo dar conta de todos recados.
Mas gostaria de chamá-lo à atenção de um aspecto: o seu ponto de partida é demasiado optimista. Acreditar que O governo DE Moçambique possui uma estratégia para lidar com integração regional. É bastante problemático, principalmente para uma pessoa como eu, que andou a procura dessa "estratégia" no local apropriado: Ministério de Indústria e Comércio, Ministério dos Negócios Estrangeiros, Ministério dos Transportes...
Eu não vi nada, a não ser dum conjunto de dizeres estranhos à integração regional.
Em Moçambique, nenhum Ministro, e especialmente o da indústria e comércio e dos transportes ou negócios estrangeiros veio a público dizer o povo de moçambique sobre aquilo que o Governo pensa em relação a integração regional. Ora, se o Chapa 100 conhece essa estratégia, por favor, não me esconda, PARTILHE COMIGO!
chapa100 disse…
mano egidio! nao era intencao minha chamar pelo optimismo. continuo acreditando que eles tem uma estrategia, mas falta coordenacao. O MIC, DGA. INNOQ, tem feito alguma, mas em separado. nao acredito que o protocolo do comercio livre na SADC, a uniao aduaneira e outros ate aqui assinados por nos, foram numa cegueira.

quando foi lancado o made in mocambique, nao aproveitou-se isso para divulgar e provocar debate sobre os contornos da integracao regional. e isso é por culpa do governo.
chapa100 disse…
egidio dou a mao a palmatoria, estamos mal: http://www.jornalnoticias.co.mz/pls/notimz2/getxml/pt/contentx/57889

Mensagens populares deste blogue

PENSAR NA PAZ SABENDO O QUE FAZER: ENTRE O VAZIO DAS PALAVRAS E O BELICISMO, A TERCEIRA VIA

Gwaza Muthini, na forma como a conhecemos hoje é um BLUFF HISTÓRICO.

Aprender de Angola? Que lições?