Vilas do Milênio ou Soluções-aspirina?

Anda um programa financiado pelas Nações Unidas chamado Vilas do Milénio, cujo mentor e ideólogo é o economista Jeffrey Sachs, Director do Earth Institute.
Sachs, por tanto se indignar com a probreza mundial, pensou e bem, que o problema principal desta residia na falta do dinheiro e maior investimento em áreas sociais por forma a tirar as pessoas das armadilhas da pobreza, poverty traps, em Inglês.
Por isso, num gigantesco
projecto, aplaudido pelas Nações Unidas, criaram-se algumas vilas, onde, com o dinheiro das NU e outras organizações, se irá verter tanto dinheiro na construção de infraestruturas básicas como centros de saúde, escolas para todos, estradas e tudo o que um paraíso pode oferecer. O objectivo é repor a dignidade humana à vida das pessoas por forma a que sozinhas, possam trabalhar e reerguerem-se.
A
premira vila a ser estabelecida em África é a vila de Sauri, Kenya. Cá entre nós, apenas um talhão foi delimitado, em Gaza, com pompa e circunstância.
Mas o medo porem é: e se o projecto chegar ao fim? Como é que as pessoas poderão
continuar a viver como estavam? Qual é a sustentabilidade desse projecto a longo prazo? Como é que Sachs acha que se poderá replicar a sua experiência pelo planeta pobre? Donde virão mais recursos para financiar tais projectos?
Estas e outras questões estão reflectidas no blog do Dani Rodrik, Professor de Economia da John Kennedy School of Government-Havardy University.
Eu, AQUI, defendo, em vez de Vilas do Milênio, PAÍSES DO MOLÊNIO. Que haja dinheiro para isso, para partilhar. Siga aqui o debate, em Inglês. Leia este texto de Samir Amin.

Comentários

Laurentina disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
chapa100 disse…
vilas de milenio e uma coisa antiga. li que os mocambicanos foram o pioneiros deste tipo de projectos, mas nao houve fundos.

Mensagens populares deste blogue

O tempo da comunicação

Gwaza Muthini, na forma como a conhecemos hoje é um BLUFF HISTÓRICO.

PENSAR NA PAZ SABENDO O QUE FAZER: ENTRE O VAZIO DAS PALAVRAS E O BELICISMO, A TERCEIRA VIA