Cenas que atentam a integridade do Estado

Não sou amante de seriados. O que vou agora escrever dava para uma série de 4 textos. Mas porque não sou daqueles que gostam de queimar o tempo dos outros (porque ninguém é leitor profissional de blogues) irei directo ao assunto.

Falando da pobreza, o Professor Elísio Macamo desafiou bastantes vezes a nossa capacidade de pensar e agir em relação a pobreza em Moçambique. Não raras vezes chamou atenção ao facto de a pobreza em Moçambique ser mais mental que material.

De facto, há cenas que, quando acontecem (e acontecem com frequência) me deixam cabisbaixo. Trata-se de doações que “pessoas – singulares – de boa vontade”, os benfeitores, concedem ao estado; das inaugurações e reinaugurações; do uso (in)devido de símbolos nacionais; dalgumas acções que se pensam inovadoras; dos bajuladores do Presidente da República e das entrevistas dos Ministros.

Vamos por partes e em pedaços.

Um empresário doou 50 motorizadas a PRM

Pelo facto do país ser tão pobre, chegamos ao ponto de o Estado não sentir vergonha de receber qualquer tipo de doação, seja ela vinda de fora, de dentro; de empresários, de associações ou de pessoas singulares. Um empresário da Praça, por ver que a nossa PRM (já é tempo de ter uma página na Internet, Srs.!) tem grave falta de meios circulantes, decidiu oferecer 50 motorizadas para alegadamente minimizar o défice. Sabemos nós que a falta de meios circulantes é crónico em todos sectores do Estado. Mas este empresário foi exactamente escolher a PRM para ser beneficiária de suas benfeitorias! E o Estado Moçambicano agradeceu. Quanto custa comprometer o Estado em Moçambique?

Um Costureiro Ofereceu bandeiras algumas esquadras da PRM

Um jovem costureiro de renome em Maputo decidiu há uns anos costurar e oferecer bandeiras da República de Moçambique às esquadras da capital e dalgumas fora desta. A razão evocada foi de que sentia pena em ver a bandeira que tanto ama(va) em estado lastimável: sujas, rotas e às vezes descaracterizadas! De facto, o jovem costureiro tem razão. Grande parte dos mastros empunha bandeiras em estado lastimável. E não são apenas esquadras: as sedes dos distritos; as administrações; os conselhos municipais, enfim, grande parte das instituições do estado tem bandeiras em mau estado de conservação. Porém, foi exactamente às esquadras da PRM que o jovem costureiro decidiu oferecer as suas peças!

Conselhos Coordenadores dos Ministérios que tem lugar nos Distritos

Quase que já é moda. Os Conselhos Coordenadores dos vários ministérios agora têm acontecido nos Distritos. Não sei bem as razões que estão por detrás dessas decisões mas uma coisa é certa: sabidas que são as deficiências que os distritos têm no que tange às condições de alojamento, alimentação e transportes, é fácil adivinhar que tudo vem de Maputo ou da capital provincial mais próxima, encarecendo assim os custos administrativos desses conselhos coordenadores: combustível, tendas,catering e ajudas de custo, etc! E depois digam que o povo é que deve inculcar na cabeça a noção depoupança para que Moçambique cresça!

Dizer que Exames de escolha Múltipla melhoram a qualidade de ensino em Moçambique

Sim, sem justificar porque e como, o Ministério da Educação introduziu exames vulgarmente conhecidos por multichoice (sim, multichoice e não multiple choice). E nos exames extraordinários há pouco levados a cabo, vimos quão extraordinários foram os resultados: 23% de aproveitamento positivo!

Publicitar Arroz Ngonhama com a melodia do Hino e Bandeira Nacionais(adicionando a cabeça do leão no meio da bandeira)!

Isso mesmo! Infelizmente essa publicidade anda desaparecida fazem já mais de trinta dias. Mas anda pelas Televisões nacionais: pública e privadas. Não sei quantas toneladas de arroz ngonhama a empresa responsável pela marca doou ao Estado! 

Enfim, ando sem inspiração. Mas apenas quis deixar uma pergunta:

Não serão as ofertas de bens e serviços as instituições do Estado, principalmente as que garantem a sua soberania, um verdadeiro atentado à sua segurança, na medida em que pode condicionar a sua independência, isenção e rigor em relação aos respectivos benfeitores? Mas antes disso, é permitido por lei que pessoas singulares e colectivas ofereçam bens e serviços aos órgãos do estado em troca de nada?  Ilídio Stayler, por favor, respondam-me. Ser pobre é mau. Mas não ter juízo e pior ainda.

...Muito rapidamente...

Tzipi Livni (leia-se Zipi Livni) vence as eleições primárias do Partido Kadima em Israel  tendo derrotado Shaul Mofaz por 43.1 contra 42.0%. Trata-se da derrota dos militaristas israelitas, aqueles que sempre defenderam que apenas os que possuem experiência militar é que podem governar o país. Livni, 50 anos, é actualmente Ministra dos Negócios Estrangeiros Israelita e sou pessoalmente apoiante desta mulher. Esperemos para ver os desenvolvimentos que ela vai empreender na busca da Paz na Palestina e Médio Oriente no geral.

Porém um aspecto interessante aqui: Ehud Olmert vai deixar o cargo de Primeiro-ministro por acusações de corrupção de que é acusado; actos praticados bem antes de assumir as funções de primeiro-ministro. Cá entre nós...hehe. Alguém quis saber se à luz da lei a mamã era moçambicana. E valeu-lhe uma acusação:  atentado contra a segurança do estado! Moçambique Hoye!

Ericino de Salema abriu o blog. Parabéns e bem-vindo. Era sem tempo. Abraços e bom trabalho.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Gwaza Muthini, na forma como a conhecemos hoje é um BLUFF HISTÓRICO.

O tempo da comunicação

PENSAR NA PAZ SABENDO O QUE FAZER: ENTRE O VAZIO DAS PALAVRAS E O BELICISMO, A TERCEIRA VIA