Quelimane, recusa ser túmulo e berço ao mesmo tempo!

A propósito da Conselho nacional da Renamo a ter lugar nos dias 19-20 de Setembro de 2008

Foi em Quelimane que em 2006 Frelimo realizou o seu VIII Congresso e que teve a participação estranha e ao mesmo tempo cómica de Ya Qub SIbindy, Presidente do PIMO. A reunião serviu para que o actual Presidente da República, Armando Guebuza, finalmente concluísse com a montagem da sua máquina político-adminmistrativa, chamando Paúnde para ocupar o cargo de Secretário-geral; acomodando Samora Jr. e Nyeleti Mondlane no Comité Central do Partido e reafirmando Edson Macuácua ao cargo que ora desempenha no Partido. O detalhe tem pouca importância. Mas apenas quero reluzir o facto de ter sido na capital da Zambézia que a Frelimo se arrumou. Muito bem.

Por seu turno e por razões iníquas, tem sido em Quelimane, cidade onde Dhlakama e seus apaniguados se reúnem para degolar politicamente os membros mais brilhantes da Renamo. Raúl Domingos e Davis Simango s(er)ão exemplos disso.

Quer dizer, Quelimane é talho e curral ao mesmo tempo; berço e túmulo político de Moçambique! Não, não pode ser. Quelimane acorda. A Renamo está a brincar contigo!

Não aceita que te zombem dessa maneira. Não aceita que sejas nem túmulo muito menos talho político onde iníquos se associam para delinquir! Não aceita que sejas o prostíbulo; antro de imprudência de alguns que apenas pensam em se manter forçosamente no poder, mesmo que esteja claro para eles e todos, a sua inadaptabilidade política.

Não, não aceita que desta vez sejas no teu espaço que a grande vergonha do ano aconteça. Não aceita e não recebe o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, muito menos seus escravos políticos. Manifesta-te. Diz não a palhaçada política. Imponha obstáculos. Chove, Quelimane, chove!

A província de que és capital já deu mais deputados à Renamo do que as restantes. E o que te fizeram? Nada. Quantos computadores a sede da Renamo em Quelimane possui? Quantas cadeiras? Quantos carros? Há quanto tempo os colaboradores da Renamo não auferem seus salários? Há quanto tempo que o delegado político provincial da Renamo não efectua visitas aos distritos? As estruturas de base (da Renamo) em Quelimane foram consultadas para essa reunião? Foram convidadas para participarem na abertura da Conferência?

A província de que és capital apostou mais que três vezes na Renamo, na vã esperança de mudar o curso da política e governação do país. E o que recebeste em troca? Nada.

O que sabes dos deputados da Renamo que elegeste? Onde estão? O que fazem? Que mudanças te trouxeram para o agrado do dia-a-dia dos teus habitantes?

E agora vêm no teu espaço para nele mais uma vez cavar outra sepultura política! Querem expulsar Davis Simango. Perguntaste porque? Perguntaste porque deverá seres tu a testemunhar esse assassinato? Perguntaste porque não a Beira, onde a vítima vive? Ou em Maputo, onde o Régulo de Mangunde folgadamente mora? Estás de acordo com a decisão? Perguntaste porque só és anfitrião em momentos turbulentos da vida da Renamo?  

Levanta a cabeça e reaja Quelimane. Diga a eles, vão pastar noutro lugar! Não podes continuar a ser assim! Até parece que gostas disto! Não admite que te ensanguentem as mãos nem faça mau uso do teu bom-nome!

Quelimane és grande; muito grande e mereces mais que simples teatro político.

Quelimane, dont turn back!

Comentários

Reflectindo disse…
Uma boa dedicacão à Cidade de Quelimane. De facto é estranha essa escolha da lideranca da Renamo.

A Cidade de Quelimane merece boas lembrancas para a Renamo e não como ela está sendo tratada pelo líder.

Isto já constitui um caso de estudo.

Mensagens populares deste blogue

Gwaza Muthini, na forma como a conhecemos hoje é um BLUFF HISTÓRICO.

O tempo da comunicação

PENSAR NA PAZ SABENDO O QUE FAZER: ENTRE O VAZIO DAS PALAVRAS E O BELICISMO, A TERCEIRA VIA