Todos nós amamos Guebuza. Mas isso não implica Idolatrarmo-lo: notas sobre a "Política da Imagem do Governo de Moçambique"

O artigo 13º da Constituição da República diz taxativamente que "Os símbolos da República de Moçambique são a bandeira, o emblema e o hino nacionais" e não "Armando Guebuza, a bandeira e hino nacionais
O que os "gurus" da comunicação do Governo estão a fazer, sugere-me que estamos num processo muito avançado de idolatração do "filho mais querido do povo Moçambicano", o Presidente da República de Moçambique, Armando Emílio Guebuza. Isso é mau, e mau sinal para todos nós e para a democracia, e um grande perigo aos que ainda acreditam na competência destes gurus.

Nos útlimos tempos, tenho notado com INUSITADA ESTUPEFACÇÃO que qualquer Governante que se preze neste país – entre ministros, governadores e administradores, etc., quando fala à comunicação social incluindo quando se quer deixar fotografar, ou filmar tem tido no como fundo, a imagem do Presidente da República, Sr Armando Emílio Guebuza . Vamos por partes:

1- A sala de imprensa do Conselho de Ministros, lá onde o meu, nosso querido amigo e Porta-voz do Conselho de Ministros fala à imprensa tem como fundo UM EMBLEMA e UMA FOTOGRAFIA GRANDE do PR Armando Emilio Guebuza.

2- O emblema está ofuscado com a proeminiência da figura do PR. Da TV não sé possível ver com clareza necessária o emblema da República de Moçambique.

3- Quando o Porta-voz do Governo fala à imprensa dá a sençação de que o Presidente da República está alí ao lado, atrás dele, dada a proeminiência e grandeza da imagem dele. Da TV pode facilmente constatar-se que a fotografia do PR Armando Guebuza é maior que qualquer pessoa que estiver a falar para imprensa a partir da sala de imprensa do Conselho de Ministros.
4- Em todas repartições do Estado, a primeira coisa que se vê ao entrar tnelas em sido invariavelmente a foto do PR Armando Guebuza. A bandeira, esta, se não está suja e rasgada; pendurada no mastro exterior, seguramente que deve estar acantonada algures. dentro do Gabinete do chefe. O Emblema, dificilmente se pode vislumbrar.

Mas o artigo 13º da Constituição da República diz taxativamente que "Os símbolos da República de Moçambique são a bandeira, o emblema e o hino nacionais" e não "Armando Guebuza, a bandeira e hino nacionais". Isso é idolatrar um homen tão simples como todos nós, que também trabalha e quer ser corrigido. E é contra a constituição da República.

Os que assim procedem, relevando a figura do PR em detrimento dos símbolos naiconais estão a enganar o Governo e o PR em particular. Elevar a figura do PR á categoria de símbolo da República de Moçambique é inconstitucional e lesa a pátria.

A obrigatoriedade dos "gurus" de comunicação e imagem do Governo deve ser o de "comunicar o Govcerno e suas actividads, suas insígnias e símbolos e conferir coerência discursiva para ganhar as pessoas e respectivas mentes por forma a que elas estejam mobilizadas e dispostas a "consentir" a sua governação, engajando-se através da sua contribuição para assim materializar o contrato social sufragado.

Promover Guebuza em detrimento dos símbolos da República é mau e antiético; é no limite, mediocridade dispensável e demonstra claramente que desconhecem a sua missão como comunicadores do Governo da República de Moçambique.

Por isso, por favor, tirem essa foto e coloquem o emblema nacional mais saliente, visível. Coloquem um pouco mais acima a foto do nosso querido PR para que não destoa o emblema da República de Moçambique. Em cada sede da Administração Distrital, ao lado da foto do querido PR deve estar o emblema nacional e a bandeira limpa e completa – e não rota - deve estar içada no mastro disponível em todas sedes e gabinetes do estado, e não escondida na sala do Director ou Administrador.

Cada vez que os ministros quiserem dar uma entrevista, por favor tenham atenção em colocar mais visível e saliente o emblema e não a foto do “filho mais querido do povo moçambicano”. É necessário comunicar isso, e passar a mensagem de que todos estamos ao serviço do Estado, da Pátria e não do Presidente da República. Isso é, em linguagem vernacular, puxa-saquismo condenável.

Comentários

Chacate Joaquim disse…
Xiii... mano voltou quente!... eheheheh... sabe que nao tinha observado esse aspecto! jovens antento eh...
Egídio Vaz disse…
Chacate, é preciso estas sempre atento. Se calhar salvamos alguma coisa. E as pessoas também.
Anónimo disse…
Subscrevo integralmente o que disse-te

Mensagens populares deste blogue

Gwaza Muthini, na forma como a conhecemos hoje é um BLUFF HISTÓRICO.

O tempo da comunicação

PENSAR NA PAZ SABENDO O QUE FAZER: ENTRE O VAZIO DAS PALAVRAS E O BELICISMO, A TERCEIRA VIA