CHECK AGAINST DELIVERY: Guebuza confirma que a Frelimo está em crise

Na prática diplomática existe um termo chave quando o assunto é o discurso “oficial”: CHECK AGAINST DELIVERY ou seja, VAI SEGUINDO O QUE ELE DIZ que é oficial do que o papel que tem nas mãos].
Em grandes conferências e cimeiras, quando líderes mundiais discursam, têm sempre um documento que chama por “discurso oficial”. Estes, amiúde ficam disponíveis para todos mas com uma ressalva. Eles sempre alertam aos jornalistas e outros interessados a tomarem com oficial o que no momento do discurso for dito. E logo no topo do documento (discurso) escreve-se CHECK AGAINST DELIVERY. Acontece em grandes cimeiras: União Africana, ONU, UE, NATO, SADC, Comitê Central da Frelimo, Congressos, etc.
É o que farei aqui, em relação a que ouvi e vi no discurso de Armando Guebuza, presidente da Frelimo.
A dado passo, ele recordou aos presentes e ao país que os adversários da Frelimo querem “acabar” com a Frelimo; portanto, não querem o bem para a Frelimo.
Recordou para tal as mortes de Mondlane e Samora como exemplos de tentativas de “acabar com a Frelimo”. E acrescentou: “QUANDO [ESTES INIMIGOS DA FRELIMO] ALIMENTAM AS CRISES INTERNAS, TAMBÉM QUEREM ACABAR COM A FRELIMO.
É o detalhe que me faltava, vindo do próprio presidente da Frelimo, a confirmar que a Frelimo está em crise. Ora, de que crise é esta? Eu não tenho nome ainda.
O resto dos chavões que andou a mencionar não passa de discursos para atrapalhar e meter medo aos incautos. Vamos por passos.

COESÃO DA FRELIMO

Como é que o Presidente Guebuza diz que a Frelimo está coesa se ele próprio confirmou em directo que a Frelimo está crise? Um partido em crise está coeso? É possível que “inimigos da Frelimo” ou “camaradas barulhentos” alimentem uma coisa que não existe? É possível alimentar um fogo que não existe? É possível alimentar um corpo inerte? É possível alimentar uma casa sem que a instalação elétrica esteja no lugar e as lâmpadas em condições?
 FRELIMO GLORIOSA
É mentira. Apesar de ter ganho as eleições, a Frelimo perdeu cerca de 50 lugares nas eleições gerais e 219 lugares nas assembleias provinciais. Isto é muito!
 “A NOSSA REFERÊNCIA SÃO OS ÓRGÃOS”
Guebuza sempre advogou pelo silêncio de quem não fizesse parte dos órgãos ou a simplesmente “apoio incondicional” do que saísse destes órgãos. Ou seja, ele sempre apoiou o G-quarentismo. Mas todos sabem como se compôs a comissão política; como se chega ao comité central e aos vários órgãos nos últimos dez anos da sua governação e como as decisões são tomadas! Orientações!
UM DISCURSO AUTO-JUSTIFICATIVO QUE FAZ FUGA EM FRENTE
Guebuza perdeu a oportunidade de abordar aos seus camaradas, os desafios candentes que o partido enfrenta tais como:
·         Como e porquê a Frelimo perdeu popularidade nestas eleicoes? As estatísticas provam isso, sem querer falar de irregularidades e outras brincadeiras das últimas eleições.
• Porquê os níveis de aceitação da Frelimo ao nível da opinião pública estão em queda-livre? As estatísticas mostram claramente que apesar de dirigir o país, o desdém dos cidadãos ainda é maior. Peguem apenas no jornal noticias e comparem o número de acessos de notícias sobre a Frelimo e peguem também as referentes aos partidos como Renamo e MDM. Ou revisitem os estudos recentes da Ética ou Afro Barometre quando aos níveis de confiança institucional.
·         Qual é a sua visão do futuro do partido quanto aos temas acima propostos?
Repetir chavões como coesão, insistir que a Frelimo continua coesa ou dizer que os que criticam a Frelimo querem acabar com ela não ajuda tanto para resolver a crise que ele próprio reconheceu hoje. Pelo contrário, este discurso é extremamente contra a coesão; é um discurso que apela à caça às bruxas; é um discurso que não conforta quem está dentro da Frelimo e não concorda com algumas linhas de acção; é um discurso intimidatório e desencoraja a liberdade de expressão e de opinião.
AGORA FAZ SENTIDO QUE SE APROVE UMA NOVA DIRECTIVA CONTRA A LIBERDADE DE EXPRESAO E OPINIÃO DE MEMBROS DA COMITÉ CENTRAL.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

PENSAR NA PAZ SABENDO O QUE FAZER: ENTRE O VAZIO DAS PALAVRAS E O BELICISMO, A TERCEIRA VIA

Aprender de Angola? Que lições?

O tempo da comunicação