Eleições Provinciais 2007: O Boicote vingou!

O Presidente da República de Moçambique, Armando Guebuza, prometeu alterar a data das eleições, inicialmente marcadas para o dia 20 de Dezembro próximo. Neste espaço, temos vindo a insistir na necessidade de adiar a data das eleições, não só por constrangimentos económicos que tal acto poderá causar como também por causa da sua sua impreparabilidade. Mais tarde, aduzimos ao rol dos inconvenientes, a questão dos feriados muçulmanos, que, ao nosso ver, mais pesou sobre a reviravolta do PR.
Como se pode ver, as eleições ficarão para Janeiro do próximo ano. Esta data é da minha responsabilidade; é a minha previsão.
Digo isso porque o PR não vai querer ir muito para além da data inicial. E não deverá marcá-las para 21 ou 22; muito menos 29 de Dezembro. Terá que ser mesmo Janeiro, até lá para o dia 20.
E o mês de Janeiro calha bem, se tivermos em conta os motivos que levaram o Presidente da República marcar a data de 20 de Dezembro como a data constitucionalmente válida. Mas, como Ilídio Macia bem disse, afinal de contas, até 20 de Janeiro, o PR ainda estaria dentro dos prazos.
Se perguntar não ofende, afinal de contas, quem manda neste país? Desta vez, o cachimbo pode vir a ser leiloado a 4 milhões de meticais e depois oferecido ao dono. Esperemos para ver como os muçulmanos irão agradecer este "gesto" presidencial.

Comentários

Anónimo disse…
Até poderia dizer parabéns ao PR por pensar nisto, isto é, acatar a opinião dos muculmanos. Porém, pergunto, de que serve o Conselho Constitucional se a sua opinião, muito bem antecipada preconizava que as eleicões tivessem lugar no período seco, mas o PR mandou-a passear?

E, na data em que ele havia marcado, parece não ter-lhe interessado que se tratava dum período de maior movimentacão de estudantes universitários e secundários que na sua maioria são também eleitores

AA
Egidio Vaz disse…
Movimentação dos estudantes: esse é outro assunto que não foi tido em conta.
Leonardo Vieira disse…
A dias vi na STV uma discussão acerca da alteração da data das eleições. E fiquei positivamente surpreso com o Homo Sibindicus, soube defender a sua ideia de se alterar a data muito bem.
Agora, quanto a ideia da movimentação dos estudantes,esse é outro assunto que tem muito a ser discutido!
Talvez os estudantes (grupo ao qual faço parte) ainda não saibam do poder que têm em suas mãos. As associações estudantis pelo mundo fora têm feito grandes revoluções. Porque não fazer o mesmo cá???
Egidio Vaz disse…
As associações estudantis precisam de alargar o âmbito da sua actividade. Para além de assuntos académicos, precisam igualmente se empenhar na construção de uma cidadania activa. Afinas de contas, são organizações compostas por pessoas que sabem ler. Ou que pelo menos estudam lendo. Portanto, são uma classe privilegiada.
Anónimo disse…
Não sei se as associações de estudantes em Mocambique podem fazer muito. Porque posso até estar enganado mas cá por mim os dirigentes destas associações acabam sendo cobertos pelos que detêm o poder político. Tornam-se filhos sem poder nem capacidade de se revoltar contra o “pai”.

Elton B.

Mensagens populares deste blogue

PENSAR NA PAZ SABENDO O QUE FAZER: ENTRE O VAZIO DAS PALAVRAS E O BELICISMO, A TERCEIRA VIA

Aprender de Angola? Que lições?

O tempo da comunicação